ARTIGOS

Exercícios de obediência básica para cães

O seu animal de estimação precisa de afeto, atenção, disponibilidade, cuidados de saúde e… educação! Daí que os exercícios de obediência básica para cães sejam importantes para estabelecer regras e desenvolver as habilidades cognitivas e sociais. Mas antes de pegar em meia dúzia de biscoitos e chamar o “Bobby” para a primeira aula, convém ler este artigo e perceber quais são os principais treinos de obediência e como os deve executar. 

Exercícios de obediência básica para cães

Genericamente, os exercícios de obediência básica para cães e que fazem parte do primeiro nível de treino canino, têm por objetivo o cumprimento de ordens básicas como “vem”, “senta”, “chão”, “quieto/fica”, “aqui”, “deita” e “junto”. Para estes e outros exercícios de obediência básica para cães terem sucesso, é importante que da parte do tutor haja consistência, ou por outras palavras, haja paciência e tempo para treinar um cão, aguardar que assimile os comandos básicos e depois reforçar e relembrar as indicações. Se não tiver disponibilidade, pode recorrer a escolas para cães, mas se quiser tentar sozinho(a), reserve no mínimo 10 minutos do seu dia para os exercícios de obediência básica para cães, sendo que cada ordem precisa de 3 a 10 dias (dependendo do cão) para ser completamente apreendida. Os exercícios de obediência básica para cães devem ser ministrados num local calmo sem grandes estímulos externos de forma a evitar distrações.

Como adestrar um cão e conseguir que obedeça aos seus comandos básicos

Basta um reforço positivo para adestrar um cão. É tudo o que precisa para o seu animal começar a obedecer às suas ordens. E por reforço positivo entende-se uma recompensa pela obediência do cão (biscoito), acompanhada de um elogio verbal (lindo menino) e até de um carinho (festinhas). Mas atenção que a recompensa pela ordem cumprida, deve ser dada imediatamente para que o cão consiga relacionar o seu comportamento com o prémio e mantenha um bom comportamento no treino de obediência a esse comando. Cães bem treinados, entendem que à indicação “quieto”, por exemplo, devem ficar parados. Se o fizerem, recebem um biscoito! 

Formas de acalmar um cão

Muitos tutores queixam-se da agitação excessiva dos seus cães. Se é o caso do seu patudo, lembre-se que uma das melhores formas de acalmar um cão é reagir logo após o acontecido. Se deixar passar uns minutos, ele não vai compreender ou vai associar o elogio ou o biscoito ao comportamento que acabou de ter. 

Outra forma de acalmar um cão, é aguardar que ele esteja bem tranquilo para o premiar com um petisco ou somente com um mimo. Com o tempo, o animal vai acabar por compreender que só quando está relaxado, é recompensado. 

Por fim, outra das formas de acalmar um cão é investir em passeios regulares e relativamente longos, para ele gastar energia e socializar. É que muitas vezes, o cão só está agitado e até ansioso porque não tem o que fazer, e destruir um objeto, por exemplo, acaba por lhe parecer uma excelente solução para contrariar o tédio. 

Caso a sua rotina de trabalho não se coadune com as necessidades em termos de passeios do seu cão, considere contratar um dog walker. 

Como fazer para que o cachorro pare de morder

Outra grande queixa dos tutores, é a insistência dos cachorros em morder. Felizmente também aqui existem formas de fazer com que o cão pare de morder. A primeira é desviar a atenção do animal, ou seja, como o cachorro só está a morder (a sua mão, por exemplo) para brincar, se lhe oferecer um brinquedo, o mais provável é ele preferir roer o brinquedo. Se não funcionar, em vez de um brinquedo ou de uma bola, ofereça-lhe um alimento crocante para roer, pois os cachorrinhos sentem necessidade de aliviar a comichão nas gengivas quando os dentes estão a nascer. Não resulta? Então experimente aumentar-lhe a dose de atividade: brinque com ele durante mais tempo, faça passeios mais longos, se necessário coloque-o numa cresce para cães durante parte do dia, mas assegure-se de que ele vai gastar energia! Se assim for, fica mais tranquilo e não vai querer brincar a morder. 

Todos estes conselhos se aplicam também a cães adultos que continuam a morder. No fundo, o que eles querem, independentemente da idade, é atenção.

Logo, deve ignorar o cão e não dar atenção quando ele morde até que o animal perceba que não é assim que vai conquistar o dono. E se o seu cão continuar a morder, não hesite em procurar uma escola de treinamento de cães. 

Em que casos é recomendado o adestramento de cães

Embora existam cães indisciplinados, mais ativos, mais assustados ou mais agressivos que o normal, o adestramento de cães é recomendado para todos os animais. E sabe porque? Porque todos os cães aprendem, precisam é de ser educados! É verdade que os mimos são ótimos, indispensáveis à sua felicidade, mas as regras são melhores ainda para uma convivência salutar e tranquila entre cão e dono e entre cão e outras pessoas e animais. Por isso, deve ensinar o seu cão desde pequeno, deixar clara a sua posição dentro da família e estabelecer limites. Todos os cães precisam de regras para crescerem de forma consistente e não desenvolverem comportamentos indesejados somente porque estão baralhados. Lembre-se que um treino de obediência nunca fez mal a nenhum cão!

Qual a melhor fase para adestrar um cão

A melhor fase para adestrar e educar cães é quando ainda são cachorrinhos. Nos primeiros meses de vida o seu cérebro está preparado para absorver muita informação e por isso não deve esperar que o seu animal cresça para encetar o treino canino. Porém, se adotou um cão já adulto ou se só agora percebeu que o cão precisa de treino, não há problema! Um cão pode ser adestrado em qualquer idade, tem sempre potencial para aprender. O máximo que pode acontecer é demorar mais tempo a cumprir as ordens porque já se habituou a desenvolver comportamentos indesejados.

Pré-requisitos para treinar um cão

O pré-requisito para o seu animal de estimação fazer exercícios de obediência básica para cães, é só um: ser um cão de companhia! Mas, outros níveis e tipos de adestramento para cães podem exigir pré-requisitos para treinar um cão, sim. Por exemplo, se pretende treinar um cão polícia, um cão guia, um cão para competição desportiva, deve atender, em primeiro lugar, a um fator decisivo: ser treinado desde pequenino, e depois à especificidade da raça e características do próprio animal. Um cão de guarda ou cão polícia, por exemplo, deve ter um latido forte e capacidade de reagir a uma agressão de forma rápida (algumas das melhores raças para cão de guarda são Pastor Alemão, Rottweiler, Dogue Alemão, Pastor Belga e Dobermann). Já um cão que vai ser treinado para ajudar uma pessoa cega, deve ser extremamente paciente e não ter qualquer tipo de problema de socialização (algumas das melhores raças para cão guia são Labrador, Pastor Alemão e Golden Retriever). E um cão para competição desportiva deve ser ágil e resistente (algumas das melhores raças para cão de competição são Collie, Retriever e Pastor Belga).

Estas dicas sobre treino para cães são uma cortesia da Clínica Veterinária João XXI.

Marcação de Consulta

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut faucibus mollis pellentesque. Vestibulum nec leo sed lectus vehicula ornare. Curabitur at turpis at ligula auctor fermentum. Sed varius pharetra lacinia.

Últimos Artigos

Repelentes naturais de pulgas e carraças versus tratamentos químicos com pesticidas: quais escolher?

Leishmaniose canina: um caso em que prevenir, é mesmo o melhor remédio

Categorias
Últimos Artigos

Repelentes naturais de pulgas e carraças versus tratamentos químicos com pesticidas: quais escolher?

Leishmaniose canina: um caso em que prevenir, é mesmo o melhor remédio